Como definir estratégias para sua empresa e investir nas pessoas na pós-pandemia.

É certo que estamos vivenciando um momento único em nossas vidas e empresas, de modo que, para definir novas estratégias e saber investir nas pessoas na pós-pandemia, precisaremos olhar de fora para dentro em nossas rotinas e organizações.

O mundo pós-pandemia será de prevalência do digital? O que faz levar a este raciocínio pode parecer lógico quando nos deparamos com o intenso distanciamento social imposto pela COVID-19.

Foram realizadas adaptações no mundo do trabalho (aumento do home-office) e de comercialização de produtos e serviços à distância (vídeo conferências, e-commerce e e novos canais de atração de potenciais clientes).

Por outro lado, precisamos entender que várias gerações nunca se depararam com rupturas tão fortes no modo de agir e comprar. As coisas foram acontecendo aos poucos, as inovações vieram chegando e se apresentando como novas opções, mas não como único caminho.

Nas empresas, verificamos muita adaptabilidade e busca do entendimento de conceitos novos de entrega de soluções ao novo perfil de cliente que surgiu, mas o cliente que era bem atendido no conceito presencial retornará com muita força e necessidades que foram reprimidas.

O crescimento econômico está vindo?

O fundo do poço pode estar ficando para trás e iremos nos deparar com uma retomada de vários setores da economia brasileira.  O crescimento econômico está vindo?

O Brasil vai demorar certo tempo para recuperar níveis de crescimento geral, como o do PIB (Produto Interno Bruto), porém, alguns setores não foram impactados e outros já têm níveis de crescimento superiores ao ano de 2019.

Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) o varejo caiu 14% em Março, 17,5% em Abril e cresceu 19,6% em Maio!

Segundo a Receita Federal, verifica-se um aumento na emissão de Notas Fiscais Eletrônicas desde Junho, sendo uma boa referência da presença de aumento nas vendas.

Mas esta recuperação continuará desigual por um tempo, até porque muitas empresas foram fechadas e empregos foram perdidos. Dependendo do cliente alvo e das regras impostas de fechamento de determinadas atividades que eram mais presenciais, alguns segmentos seguirão ainda no vermelho por um tempo, ao contrário de outros que já estão caminhando no azul.

Como definir as novas estratégias?

Entender bem a dinâmica e operacionalização de sua empresa para encontrar o novo cliente na retomada pós-pandemia é o desafio, então.

Pergunto: como definir as novas estratégias? Será que estou preparado quanto aos fluxos internos, departamentos e pessoas para enfrentar o momento desta virada?

O meu segmento faz parte da retração econômica e tenho que me conformar ou posso ser o grande responsável pela mudança e crescimento?

As respostas estarão na autoavaliação de seus fluxos internos, nos processos de inovação, na inteligência comercial e no investimento nas pessoas!

Mas falar de investimento em um cenário de crise pode parecer loucura, será?

A consultoria empresarial poderá ser um dos caminhos na busca de autoconhecimento e as empresas estão num momento de ajuda mútua, visando primeiro a sobrevivência, parceria e depois crescimento financeiro.

Estamos no momento disruptivo e pensar assim significa fazer mais com menos, se desafiar, inovar, encontrar novas formas de vender para o mesmo cliente e para novos clientes.

Criar um novo projeto e investir nos recursos humanos é outro caminho! Você já ouviu falar em humanização?

Segundo o especialista no assunto Rodrigo Lisboa, todas as empresas que antes da crise já investiam na cultura humanizada, conseguiram atravessar dias difíceis com a garantia da lealdade de seus stakeholders.

Inclusive, o que ficou provado nos tempos de confinamento é que a tecnologia é cada vez mais fundamental, mas ainda continua sendo um “meio”, enquanto humanizar as relações que além de essencial será sem sombra de dúvidas o maior de todos os valores percebidos.

Antes da pandemia era comum as empresas investirem em recursos tecnológicos que não traziam retorno algum, muito pelo contrário, em alguns casos era dinheiro perdido, e assim, deixavam de investir em treinamentos e no desenvolvimento da equipe.

Uma coisa é certa, toda empresa é um organismo vivo, e todo organismo vivo tem alma, inclusive necessitam de pessoas com alma e coração pulsando para melhor servir e cuidar de clientes.

Quero fazer uma alerta que humanização e lucro andam juntos, a diferença é que pensar somente na lucratividade fará você quebrar a cabeça tentando diferenciar a sua empresa com melhores preços e prazos, enquanto com a humanização poderá ajudar a preencher as necessidades emocionais das pessoas envolvidas com a sua organização.

O investimento em inteligência comercial

Sempre vendi bem e agora estou enfrentando problemas, deve ser por causa da crise. Será?

Devemos buscar uma forma de entender o nosso novo cliente, o que estamos oferecendo é suficiente? Nossa empresa está se comunicando adequadamente?

A Assessoria comercial é importante para mostrar os caminhos e determinar um novo fluxo inteligente para as vendas.

Além disso, devemos estar incorporando nossa atuação comercial no meio digital, com o desenvolvimento de uma estratégia que reúna o marketing digital aliado à gestão comercial.

Saber procurar seu novo cliente alvo, se comunicar com criatividade e inteligência, fortalecer e criar canais de comercialização adequados.

Vender mais dependerá do desenvolvimento de uma cultura e processos internos mais eficazes, com pessoas mais estimuladas e estrutura condizente para o recebimento de novos projetos e pedidos de compra.

Devemos saber reavaliar nosso potencial de atendimento e de entrega de novas soluções e produtos. Com o mundo digital cada vez mais presente nas relações de negócio, estão ficando mais visíveis as diferenças entre as empresas.

Quando você vai comprar online, por exemplo, e a reputação da  empresa vendedora não está boa, quais as chances de efetuar a compra?

Você tem trabalhado as estratégias também no modo presencial?

Estabelecer uma forma segura de vender depende primeiro de arrumar a sua casa!

Investir nas pessoas na pós-pandemia

Todas as vezes que falamos sobre estratégias de investimento vem o pensamento sobre o destino de recursos financeiros para uma determinada ideia ou projeto na empresa, nova filial, novo produto ou processo interno.

Mas pense agora em investimento como uma forma de elevar a autoestima de sua equipe, permitir que os seus colaboradores participem dos resultados da empresa, dos processos decisórios e do sentimento de sociedade.

Devemos saber investir nas pessoas como uma ótima maneira de superar a crise, pois somente em equipe teremos mais êxito para vencer esta nova batalha.

Criar um ambiente adequado de trabalho e cooperação, e não uma relação tradicional de empregador e empregado.

Estabelecer um propósito e conectar a sua equipe com este objetivo, desenvolvendo alta performance em atendimento, vendas, comunicação, estratégias e liderança.

Devemos saber refletir sobre o que queremos para nossas vidas e empresas, levando a todos os demais ao mesmo foco e motivação diários.

Estabelecer um novo caminho de confiança pós-pandemia, portanto, depende de uma reestruturação, processo de inteligência de atuação e investimento nas pessoas!

 

Comentários (3)

Deixe um Comentário